prefeito Marcelo Brandão de Ipirá é afastado por participar de esquema de fraude a transporte escolar



A operação foi deflagrada pela Polícia Federal nesta terça-feira (21), contra um esquema criminoso de fraude a licitações no serviço de transporte escolar nas cidades de Alagoinhas, Casa Nova, Conde, Ipirá, Jequié e Pilão Arcado, que ficam na Bahia.
O valor dos contratos envolvendo as empresas que participavam do esquema totaliza R$ 130 milhões. Apenas nos municípios de Alagoinhas e Casa Nova, o superfaturamento foi de R$ 38 milhões no período de 2009 a 2017.
Dinheiro apreendido durante a Operação Offerus, na Bahia (Foto: Divulgação/Polícia Federal)
Além da fraude a licitações, a operação da PF combate também o superfaturamento, desvio de recursos públicos, corrupção ativa e passiva e lavagem de ativos envolvendo os contratos do serviço de transporte escolar das seis cidades do interior do estado.

Esquema

De acordo com a CGU, um grupo de empresas de fachada se revezava nas licitações para atuar no transporte escolar das prefeituras. Essas empresas recebiam valores altos para desempenhar o serviço, mas não tinham estrutura para isso. Elas terceirizavam o transporte e pagavam preços baixos.
"Um grupo de empresas de fachadas estavam se revezando no transporte escolar. Identificou-se que eram empresas de fachadas porque elas não tinham nenhuma estrutura, não tinham veículos, não tinham motoristas, apesar de serem contratadas para o transporte escolar. Para executar os contratos, elas terceirizavam para prestadores locais. E esses prestadores recebiam um valor muito inferior daquilo que era repassado. Cada município existia um valor, porque o serviço era feito por rota", contou o superintendente da CGU na Bahia, Ronaldo Machado de Oliveira.

O que dizem as prefeituras?

O secretário de comunicação da prefeitura de Alagoinhas informou que foram cumpridos três mandados de busca e apreensão na sede da administração da cidade, na Secretaria de Educação e no Centro Administrativo Municipal. Entretanto, a prefeitura está funcionou normalmente e a situação é apurada.
A assessoria da prefeitura de Jequié ainda não tem detalhes da operação, mas deve se pronunciar sobre o caso ainda nesta terça-feira.
Em nota, a prefeitura de Ipirá informou que a empresa de transporte investigada pela PF foi contratada pela gestão anterior e que, atualmente, não prestava mais serviço ao município. No comunicado, a administração afirma ainda que, apesar de não ter relação com a gestão passada, não deixará de prestar quaisquer esclarecimentos, inclusive com o fornecimento de toda documentação que for solicitada desta e de outras administrações.
Já a prefeitura de Casa Nova, informou, por meio de nota, que os arquivos alvo das buscas da PF são referentes ao do governo anterior, vinculadas à área de transporte escolar. Disse ainda que o atual governo reitera que nenhum ato praticado durante a atual gestão está sob investigação. O G1está tentando contato com a antiga gestão.
O G1 também tentou falar com as prefeituras de Ipirá e Pilão Arcado, mas as ligações não foram atendidas. O G1 não conseguiu contato com a prefeitura de Conde.

Posted by Redação Online on 06:25:00. Filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0

MAIS VISTAS

2018 Jornal Itaberaba. Whatsapp (75) 9 9163-7609. - by Agencia Itaberaba .